sábado, 8 de julho de 2017

PROGRAMAÇÃO DO 27º FIG DESAGRADA MAIORIA E PREFEITO DISPARA: “O Festival de Inverno é um grande Circo, que arma-se, desarma-se, e não deixa Legado”



A programação do 27º Festival de Inverno de Garanhuns, sobretudo do Palco Mestre Dominguinhos, divulgada ontem, dia 7, pelo Governo do Estado de Pernambuco, não agradou a grande maioria da população de Garanhuns.

Apesar da grade do principal palco do Evento trazer nomes como Marina Lima, Fafá de Belém, Geraldo Azevedo, Baby do Brasil, MPB4, Lucy Alves, Chico César, Mart’nália e Fernanda Abreu, entre outros, e da presença de Toni Garrido e Marina Lima (imagem ao lado) na lista dos artistas de outros palcos, diversos comentários negativos a programação vem sendo registrados nas redes sociais. “Que pena que estão acabando com o FIG, essa é a pior programação que já houve”, registrou a professora Suziane Lourenço. Já o caruaruense, Jáderson Rodrigues, disparou: “pior programação de todos os tempos! Horrível, salvo 3 ou 4 atrações, o restante é defunto da mídia”, pontuou. “Não se questiona a qualidade dos artistas e sim o atual momento vivido pelas atrações. Nomes como MPB4, Baby do Brasil e Marina Lima são grandiosos, mas estão fora da mídia há muito tempo e muitos jovens sequer os conhecem”, publicou, com sensatez, o estudante universitário Pedro Júnior.

Mesmo confidenciando gostar de algumas das atrações anunciadas, a radialista Aninha Marques, que sempre posta opiniões sensatas nas redes sociais, também registrou que a programação deste ano estaria “fraca”. “Ninguém é obrigado a ter que gostar apulso não. E a programação tá fraca sim. Eu adoro Tom Zé, Renata Arruda, Chico César, MPB4, Alice Caymmi, Fernanda Abreu e outros. Mas o FIG é Festival de 30 mil pessoas e tem que ter também aquelas atrações que façam a Praça inteira cantar em couro, artistas que quando entram no palco arrancam suspiros em massa. Esse tipo de artista de multidão não tem (com raríssimas exceções). Deixou a desejar sim. Não é porque seu artista preferido está que você vai ter argumentos para dizer que essa é uma programação de um Festival de 30 mil pessoas”, pontuou a Radialista em seu perfil no facebook.

Já o servidor federal Wagner Marques mostrou-se satisfeito com a grade artística anunciada para o 27º FIG e cutucou os críticos ao evento deste ano. “A voz da ignorância fica julgando mal a programação do FIG pelas atrações que não conhece”, sapecou Wagner, que durante alguns anos militou na Imprensa local. “É simples: o pessoal que não gostou da programação do 27° FIG, é só não ir para o evento. Porque eu mesmo, por não gostar da música de Wesley Safadão e Aviões do Forró, me resolvo não indo aos shows deles. Não preciso choramingar pelo que não é do meu gosto”, chamou a atenção. A posição de Marques é compartilhada pelo experiente jornalista Roberto Almeida, que assina um dos Blogs mais acessados do Agreste Meridional. “Muitos queriam ver cantores de vaquejada (com todo respeito aos bois) no FIG. Como o perfil está bem MPB, com veteranos e alguns novatos da boa música, ficam detonando a programação. Chegam ao ponto de comparar o Festival com festas de São João em Arcoverde, Bom Conselho e Caruaru. Isso é que dá as rádios e as emissoras de TV o ano todo só dar espaço a porqueiras”, disparou Almeida.

PREFEITO REGISTRA QUE SOLUÇÃO SERIA MUNICIPALIZAR A GESTÃO DO FIG – Apesar de não externar sua opinião quanto a qualidade da grade de programação apresentada para o evento deste ano, o Prefeito de Garanhuns, Izaías Régis (PTB) deixou claro, em entrevista veiculada na manhã de hoje, dia 8, no programa Ronda Policial, da Rádio Jornal Garanhuns, que não concorda com a atual formatação do principal evento realizado em Garanhuns.

Segundo Régis, “o Festival de Inverno é um grande circo, que arma-se, desarma-se, e não deixa legado, desde que começou, sempre foi dessa maneira”, pontuou. Para o Prefeito, a solução seria seguir os moldes da formatação do São João de Caruaru, em que o Governo do Estado repassa os recursos e o Município formata e realiza o Evento com o apoio Estadual. “Chegou o momento da sociedade de Garanhuns, dos empresários e do Poder Público lutar para que o Festival de Inverno seja montado por nós”, pontuou o Prefeito, registrando que o evento não pode seguir sendo discutido e decidido na Secretaria Casa Civil, sem que Garanhuns seja sequer ouvido. “O problema todinho é que a gente (Garanhuns) não determina mais nada no Festival de Inverno”, chamou a atenção Régis, que garantiu tomar a frente de um movimento para que essa realidade possa mudar.

Ouça a entrevista completa de Izaías Régis sobre o assunto. É só clicar em Player: