terça-feira, 24 de julho de 2018

PARA A CRIANÇADA: Mediação de Leitura marca início do FILIG



Com o objetivo de estimular o hábito da leitura já na infância, o Festival Internacional de Literatura Infantil de Garanhuns (FILIG) vai realizar neste mês dois encontros de mediação de leitura na Praça da Palavra - polo do 28º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG).

As ações marcam o início do Filig, que chega a 4ª edição este ano e vão acontecer durante a realização do Festival de Inverno. Na próxima sexta-feira, dia 27, às 17h , tem a mediadora e professora Yalle Feitosa, que ministrará atividades voltadas às crianças com idade de 3 a 12 anos. Ela fará a leitura do livro “Sapatos Trocados”, assinado pelo premiado escritor indígena Cristino Wapichana. A escolha pela obra já está ancorada no tema deste ano do Filig “Um povo em forma de histórias”, que vai permear todas as atividades do Festival, seja em ações pontuais ou durante a culminância.

Além da mediação de leitura do “Sapatos Trocados”, os encontros vão promover uma campanha de solidariedade seguindo o nome da obra. Durante as atividades, calçados masculinos e femininos serão arrecadados. Além desses pontos, a loja da Ferreira Costa, localizada na Avenida Santo Antônio, nº 515, Centro, será um dos pontos de coleta. O volume arrecadado será doado para uma Instituição.

FILIG – A quarta edição do Festival Internacional de Literatura Infantil de Garanhuns terá seminários de formação para professores, bibliotecários e mediadores de leitura todos os meses, tendo culminância entre os dias 18 e 20 de outubro. Durante o período, o festival vai promover séries de atividades literárias gratuitas para família. O Filig é uma realização do Ministério da Cultura (MinC), por meio da Lei de Incentivo à Cultura, idealizado pela Proa Cultural e Ferreira Costa, com apoio da Prefeitura de Garanhuns, por meio da Secretaria de Educação, e do SESC/Garanhuns. (Com informações dos Jornalistas Cloves Teodorico e Tacyana Viard/Assessoria de Imprensa)

Circo encanta famílias no Parque Euclides Dourado


 

O Parque Euclides Dourado é um dos locais mais ocupados por turistas e garanhuenses durante o Festival de Inverno de Garanhuns. Por mais um ano, a tradicional lona de Circo fica localizada dentro daquele Espaço e atrai diversas famílias para os espetáculos que começam sempre às 16h.

“Acho importante trazer as crianças para conferir o circo, porque dessa forma, preservamos essa magia que só o picadeiro tem. Durante toda a minha infância, fui levada para esses espetáculos e quero que meus filhos também passem por essa experiência. Nós pretendemos vir assistir as outras apresentações durante o FIG”, explicou a garanhuense Camila Maciel, que trouxe os filhos Caleb, de 4 anos, e Victor, de 9 anos, com o intuito de reviver a emoção que tinha quando criança.

As atrações do picadeiro continuam hoje, dia 24. A partir das 16h, será apresentado o espetáculo ‘Arte, Luz, Música e Muita Alegria!’, do Circo Itinerante Alves, de Jaboatão dos Guararapes-PE. A programação do circo segue até o próximo sábado, dia 28. Os ingressos são entregues gratuitamente todos os dias, das 10 às 11h30min, no mesmo local onde a lona está instalada. A programação completa do FIG 2018 pode ser encontrada no link: https://bit.ly/2uAT96n(Com informações e imagens de Daniela Batista e Nichole de Andrade/SECOM/PMG)

RECORREU AO TJ PE: A menos de três dias de apresentação de peça polêmica em Garanhuns, Ministério Público diz que espetáculo não desrespeita a figura de Jesus e pede sua reinclusão na grade do FIG em 24 horas




A menos de três dias da data marcada para a apresentação em Garanhuns 
da peça"O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu", uma guerra jurídica 
está sendo travada entre o Ministério Público, através da combativa 2ª 
Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania, que tem à frente o não 
menos combativo promotor Domingos Sávio Pereira Agra, e a 
Justiça, representada, neste caso, pela Vara da Fazenda Pública, que está 
sendo interinamente chefiada pelo juiz Eneas Oliveira da Rocha. 

O cerne da questão nessa disputa de argumentos, que será decidida pelo 
TJPE, não é mais saber se a referida peça vem pra Garanhuns ou não, já que, 
pelo que tudo indica, o espetáculo se apresenta na cidade de maneira autônoma 
no próximo dia 27 em local ainda a ser confirmado. A controvérsia que opôs o 
ponto de vista do promotor e do juiz, cada um ancorado na legislação que 
julgam aplicável ao caso, é saber se perante o nosso ordenamento jurídico, que 
tem como carro chefe a Constituição, houve censura e discriminação por parte 
do Estado de Pernambuco e do município de Garanhuns quando o espetáculo 
foi retirado da grade oficial do Festival de Inverno de Garanhuns. Na peça um 
Jesus trans vivendo nos dias atuais é retratado pela atriz Renata Carvalho.

Depois de ter uma recomendação para que a peça fosse reinserida na 
programação oficial do FIG rejeitada, a 2ª promotoria ajuizou uma ação civil 
pública seguida de pedido de tutela antecipada contra o município e o 
estado alegando que o cancelamento foi discriminatório e preconceituoso. 
O pedido de liminar era pra que a peça fosse reincluída no FIG. Ao julgar 
apenas a tutela, e não o mérito, o juiz Eneas Oliveira indeferiu a 
liminar e argumentou que o estado tem discricionariedade para incluir ou 
retirar apresentações artísticas em eventos como o FIG. Ele também escreveu 
em sua decisão que não houve censura do município e estado na questão. 

Com o não deferimento da liminar, o MPPE recorreu ao  TJPE através de 
um Agravo de Instrumento número 0008547-20.2018.8.17.9000 distribuído 
para a segunda turma da Primeira Câmara Regional de Caruaru. No recurso,
 o promotor de Justiça  Domingos Sávio aponta que houve extrapolação do limite 
da discricionariedade do Estado no cancelamento do espetáculo, destacando a necessidade de, no julgamento do mérito, aprofundar o exame da relação 
entre princípios do sentimento religioso, da liberdade de expressão e 
da discricionariedade da administração pública. 
Domingos Sávio

Em sua argumentação, o MPPE indaga, entre outras coisas, Em que uma peça que invoca ficticiamente – e até prova em contrário de forma respeitosa - a figura de Jesus Cristo para tratar da discriminação e da exclusão dos transexuais, significa desrespeito ao “sentimento religioso da comunidade”?  Em outro trecho do agravo diz o MPPE:

"Aplicando tais lições ao caso concreto, verifica-se que não há justiça na exclusão de uma apresentação que, até prova em contrário, 
foi prévia e regularmente selecionada pela curadoria responsável por 
aprovar a programação do FIG 2018, quando essa exclusão dá-se em face 
de manifestações contrárias, ainda que compreensíveis, mas não 
assimiláveis pelo estado democrático de direito na medida em que 
exigem a retirada da peça, dada a manifesta intolerância de tal 
exigência, aliás, intolerância reconhecida pelo próprio Estado na 
resposta escrita da Secretaria de Cultura à recomendação do 
Ministério Público (documento em anexo). Ora, se o próprio 
Estado de Pernambuco reconhece a intolerância das manifestações 
contrárias que visaram a impedir a apresentação, não existe, no caso, 
espaço para a discricionariedade administrativa."
Enéas Oliveira da Rocha

Por fim, o MPPE requereu a concessão da tutela provisória de urgência satisfativa para que seja determinado ao Estado de Pernambuco que reinclua, em 24 horas a peça na grade de programação do FIG 2018.


CURTAS DO FESTIVAL: Som na Rural se consolida no FIG 2018


Vinícius Barros foi uma das atrações desta segunda no Som na Rural
Por Pedro Rocha, para o V&C
Demos uma passada na noite de ontem, 23 de julho, para conferir a quantas 
anda os trabalhos do Polo Som na Rural, que parece ter se consolidado de 
vez no Festival de Inverno de Garanhuns. Era segunda e, por volta das 19 
horas, Vinícius Barros se apresentou. Depois foi a vez de Tiné Equilibrista. 
Quem fechou a noite foi Ceumar (MG) 

O "Som na Rural" é uma incrível realização no FIG, visto que traz 
apresentações mais alternativas. O palco, por ser pequeno e muito próximo 
do público, traz uma sensação agradável e mais intimista, o que leva o polo a 
ser uma ótima opção.


Sexta-feira, 20/7
18h – Seresteiros de Olinda
19h – Daniel Bento
20h20 – Livia Mattos (BA)
22h30 – Tour Hip Hop Mulher 10 anos
Intervalos e fim de noite: DJ Novato
Sábado, 21/7
19h – Coco Raízes de Arcoverde
20h20 – Pierre Tenório
22h30 – Gilu Amaral
Domingo, 22/7
18h – Número Circense – Duo Simetria: Helder Vilela e Paulo Maeda (SP)
19h – Banda Viruz
20h20 – Bande Dessinée
22h30 – Vertin Moura
Intervalos e fim de noite: DJ Rimas INC
Segunda-feira, 23/7
19h – Vinicius Barros
20h20 – Tiné – Equilibrista
22h30 – Ceumar (MG)
Terça-feira, 24/7
21h20 – Paulo Neto
Quarta-feira, 25/7 
21h20 – Gabi da Pele Preta
Quinta-feira, 26/7
21h20 – Helton Moura
Sexta-feira, 27/7
19h – Em Canto e Poesia
21h20 – Madimboo
Sábado, 28/7
JORNADA MC’S
9h – Roda de Diálogos “Hip Hop pra vida!”
10h – Batalhando pela Paz + Orquestra Maia e Adriana B.
11h – Live Paint Graffiti
21h20 – Isaar

FIG 2018: Vanessa da Mata fecha com chave de ouro quarta jornada de apresentações musicais na Praça Mestre Dominguinhos; CONFIRA QUEM MAIS SE APRESENTOU



Por Pedro Rocha para o V&C, com acréscimo de informações da Secom PMG

Fotos:  Nichole de Andrade – (Secom/PMG)

Depois da polêmica que girou em torno do show de Daniela Mercury, o quarto 
dia de apresentações do FIG na Praça Mestre Dominguinhos teve como 
atração principal Vanessa da Mata. De volta a um festival de Inverno de 
Garanhuns após quatro anos, artista encantou o público interpretando 
grandes sucessos de sua carreira como parte do seu show intitulado “Caixinha 
de Música”. Amado e Não me Deixe Só foram alguns dos clássicos que 
fizeram a plateia ir ao delírio ontem. Vanessa também fez uma homenagem
a Renato Russo e Legião Urbana cantando Tempo Perdido. 
Durante a apresentação, a artista deixou transparecer a enorme emoção de 
retornar ao FIG. "Sinto um carinho grande por esse festival", frisou a 
mato-grossense. A noite ontem foi de chuva, mas no encerramento da 
quarta jornada de shows no Palco Mestre Dominguinhos, Vanessa da Mata, 
com sua energia irradiante, espantou o frio e deu o que a multidão de fãs 
queria:  ouvir música de qualidade. Vanessa ainda retornaria ao palco no 
finalzinho, quando o público pediu bis, para se despedir com a música 
"Por Enquanto". Valeu a pena se molhar.


Antes da Diva da MPB fazer sua apresentação, subiram ao palco principal do 
FIG neste domingo, 22 de julho: Amanda Back,  Aninha Martins, 
Laira Garin e a Roda, e Rita Benneditto. 

AMANDA BACK

A artista lançou, recentemente, seu segundo álbum de carreira, 
intitulado “Encantada”. Em seu show, Amanda também interpretou 
grandes sucessos da música nacional. 

ANINHA MARTINS:

 A cantora Aninha Martins apresentou músicas do seu álbum de 
estreia, “Esquartejada”. Trabalho que é permeado de referências ao rock 
setentista. A artista possui mais dez anos de carreira e já foi aluna do 
Conservatório Pernambucano de Música, tendo também, passado por 
diversas bandas do Recife.


LAIRA GARIN E O TRIO A RODA
 A baiana Laila Garin e o trio A Roda fizeram uma ótima apresentação  
no 28° FIG. O show contou com canções do disco de estreia do grupo, que 
inclui canções como “Não me Arrependo”, de Caetano Veloso, e “Nas Curvas 
das Estradas de Santos”, de Roberto e Erasmo Carlos. A cantora, com sua
 potente voz encantou a plateia, principalmente quando cantou "Como nossos 
pais", clássico de Belchior, homenageado ano passado no FIG! 

RITA BENNEDITTO
 A cantora maranhense Rita Benneditto trouxe para Garanhuns o show 
intitulado "Tecnomacumba". O trabalho aclamado pelo público e pela crítica 
possui uma musicalidade com fortes influencias das religiões afro-brasileiras. 
A cantora também se posicionou quanto à polêmica em torno da peça vetada
 (o evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu), afirmando que o palco não é 
espaço para intolerância! A plateia acompanhou a cantora em vários 
momentos, cantando e dançando junto com a banda.


Fonte: http://www.vecgaranhuns.com/

DISSE NÃO TER VISTO CENSURA NEM DISCRIMINAÇÃO POR PARTE DO ESTADO E DO MUNICÍPIO: Juiz de Garanhuns nega pedido do Ministério Público para reintegrar peça que retrata Jesus trans à programação oficial do FIG 2018


Juiz Enéas Oliveira da Rocha

O juiz Enéas Oliveira da Rocha indeferiu um pedido de tutela antecipada 
da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania para que a peça, 
O Evangelho Segundo Jesus,Rainha do Céu fosse reintegrada à grade oficial 
de programação do 28º Festival de Inverno de Garanhuns, que já entra pelo 
seu quarto dia. 

O espetáculo foi cancelado pela Fundarpe após uma série de críticas nas 
redes sociais. É que grupos religiosos formados por católicos e evangélicos 
viram desrespeito ao culto cristão, já que a peça, estrelada pela Atriz 
Renata Carvalho, mostra um Jesus trans vivendo nos dias atuais partindo da 
ideia que Cristo vivia entre os marginalizados.  Esse contexto, aliado à polêmica 
que a peça causou em outras cidades do país, trouxe indignação à uma 
parcela mais conservadora da sociedade de Garanhuns. 

Personagens centrais dessa história, o prefeito Izaías Régis e o bispo 
de Garanhuns, Dom Paulo Jackson, tiveram o peso maior na decisão do 
Governo do Estado em retirar a peça do FIG. O primeiro foi à rádio no dia 
seguinte à divulgação da programação oficial e afirmou que 
solicitou o cancelamento ao Secretário de Cultura Marcelino Granja por 
pedido expresso da população e pelo respeito a fé cristã. Nas redes 
sociais, o prefeito foi ovacionado após o posicionamento, com grande 
parte da população apoiando seu ponto de vista. Já o bispo emitiu nota à 
imprensa e foi mais discreto. Disse que não iria interferir na vinda da peça 
para Garanhuns, mas, caso continuasse na grade do FIG, não cederia a 
Catedral de Santo Antônio para abrigar as apresentações de música erudita 
do evento, o prestigiado Virtuosi.
Promotor Domingos Sávio
O pedido de tutela antecipada do MPPE, feito através do promotor Domingos 
Sávio Pereira Agra, acompanhou uma Ação Civil Pública contra o Município 
de Garanhuns e O Governo do Estado por negarem o pluralismo da sociedade e 
por discriminação contra os transexuais. O Ministério Público requereu também 
que, ao final do processo, o Estado e o Município fossem condenados a 
pagar indenização de dez vezes o valor da peça, para campanhas 
contra a discriminação. 


"O cancelamento da apresentação da peça “O Evangelho Segundo 
Jesus, Rainha do Céu” no 28º Festival de Inverno de Garanhuns de 2018 
(FIG) pela Secretaria Estadual de Cultura e pela Fundarpe não se 
encontra devidamente fundamentado no ordenamento jurídico, uma vez 
que a peça passou por processo regular de seleção. De mais a mais, 
afirma que a peça não tem o propósito de fazer qualquer ofensa a 
nenhuma crença, mas sim o de estimular a reflexão sobre a 
discriminação social, especialmente dos travestis e transexuais, 
recorrendo aos valores cristãos do amor, do perdão, da tolerância 
e da solidariedade, estando em conformidade com o princípio da dignidade 
da pessoa humana," (PARTE DA ARGUMENTAÇÃO DO MPPE)


Intimado a se manifestar perante a Justiça, o Estado de Pernambuco alegou 
que o cancelamento da apresentação da peça “O Evangelho Segundo 
Jesus, Rainha do Céu”, não se deu por preconceito e sim por estrita análise 
de oportunidade e conveniência, que é privativa do Poder Executivo 
estadual. Acrescentou também que o Estado de Pernambuco, ao contrário do 
que afirmou o Ministério Público, não tem agido com preconceito para 
com a população LGBT. Por fim, o Governo  de Pernambuco salientou que  
que há discricionariedade político-administrativa na organização do Festival 
de Inverno de Garanhuns e que incumbe ao Governo do 
Estado a discricionariedade para avaliar as vantagens e eventuais desvantagens 
da realização de determinado evento.
Renata Carvalho, atriz da peça

O magistrado, que está assumindo interinamente a Vara da Fazenda Pública 
de Garanhuns, entendeu que, se o FIG é organizado pelo Estado de 
Pernambuco, “e se a discricionariedade para contratar ou não artistas 
para apresentação é do Poder Público, não há que se falar em censura porque 
os artistas não têm direito subjetivo à apresentação [têm expectativa de direito], 
que fica condicionada à celebração de contrato administrativo com o 
Estado – sempre discricionariamente”. (trecho da decisão do juiz)

Mais abaixo o juiz Eneas Oliveira da Rocha frisou que o controle judicial sobre 
os atos da Administração é exclusivamente de legalidade, sendo que, no 
caso, a análise do cancelamento é mérito administrativo. "Assim, o 
cancelamento da peça teatral em questão com fulcro em critérios 
que traduzem o princípio do respeito ao sentimento religioso da 
comunidade, a meu ver, não afronta o princípio da 
dignidade humana'', escreveu.


PEÇA SERÁ APRESENTADA DE MANEIRA AUTÔNOMA EM GARANHUNS, DIA 27 DE JULHO

Como ressaltou o juiz Eneas Oliveira da Rocha em sua sentença, a discussão 
sobre a reinclusão ou não da peça na grade oficial do FIG perde muito 
da importância neste momento já que a própria atriz da peça Rainha do 
Céu, Renata Carvalho, tem divulgado que o evento será realizado sim 
em Garanhuns, mas de maneira autônoma já tendo arrecadado o dinheiro para 
as despesas de viagem e hospedagem ( vaquinha virtual). O Evangelho 
Segundo Jesus, Rainha do Céu deve ser apresentado dia 27 de julho  
em Garanhuns em local ainda a ser definido. 

O Município de Garanhuns foi citado e intimado para os termos da presente 
ação, mas não tomou ciência dos referidos atos processuais. A data em que 
foi dada entrada no pedido de tutela antecipada na Vara da Fazenda Pública foi 
16 de julho. Já o indeferimento da Justiça  ocorreu no dia 20.
Izaías Régis

Fonte: 
http://www.vecgaranhuns.com/

Confira a programação do Palco Gospel do FIG, que começa nesta segunda, em Garanhuns



Começa nesta segunda, 23 de julho, mais uma edição do Festival de Inverno 
de Garanhuns Gospel. O evento, já tradicional no calendário da cidade, 
ocorre todos os anos, paralelo ao FIG, no colégio XV de Novembro e atrai 
centenas de pessoas. As apresentações seguem até o dia 28 de julho, sempre 
na parte da noite.

BAIANA ALIMENTOU A POLÊMICA: 3ª noite do FIG 2018 foi marcada por duro discurso de Daniela Mercury contra censura a peça que mostra Jesus trans; CONFIRA O QUE MAIS ROLOU



Por Pedro Rocha, para o V&C

Com a apresentação do cantor Pablo Moreno, iniciou-se o sábado de shows 
na Praça Mestre Dominguinhos, epicentro do 28º Festival de Garanhuns. 
O artista é uma das revelações musicais do estado e possui um trabalho 
autoral influenciado pelos nomes da Música Popular Brasileira (MPB).
Pablo Moreno

Por volta das 21 horas foi a vez do MPBossas impregnar a plateia com o estilo 
que fez o Brasil ser conhecido pelo mundo. Quem não lembra de Garota 
de Ipanema, uma canção consagrada em todo o planeta, cantada até por 
Frank Sinatra? O MPbossas é um projeto que reúne André Rio, Roberto Menescal
 e Luciano Magno. Clássicos da Bossa Nova brindaram o público com um 
show emocionante. "Rio", que é uma composição de Roberto Menescal, foi 
cantada por André Rio em homenagem ao colega de palco.

MPBossas

Por volta das 22 horas, Flávio Venturini e sua orquestra comandaram  um 
momento que deixou o público encantado. Cada nota gerava deleite na plateia. 
À medida que as músicas se sucediam, parecia que o público era parte 
da orquestra, auxiliando e cantando junto com a banda em vários momentos. 
Flávio é mineiro, ex-integrante de bandas como 14 Bis e O Terço. 
Em Garanhuns, trouxe para o FIG um repertório que foi desde a música erudita 
aos clássicos que marcam a sua longa carreira.
Flávio Venturini
Já passava das 23h00min quando Pedro Luís, com o show Pérolas Negras, 
entrou no palco e presenteou o público com uma singela, porém 
agradável, homenagem a um ícone da MPB, Luíz Melodia. Com uma praça 
quase que completamente tomada, o  Samba e a MPB deram o tom 
da apresentação. Pedro Luís é integrante dos grupos Monobloco e Na Parede.
Pedro Luiz

Fechando a segunda noite de shows na Praça Mestre Domiguinhos, 3ª do 
FIG 2018, ninguém mais, ninguém menos que Daniela Mercury. A baiana, 
Rainha do Axé, trouxe uma apresentação que empolgou o público. Com mais  de 
30 anos de carreira e 19 cds lançados, a diva contagiou a multidão cantando 
seus grandes sucessos. 

Durante o show, Daniela fez duras críticas aquilo que ela considera 
censura explicita contra a peça O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu. 
O espetáculo que entrou na grade do FIG esse ano, sofreu uma forte rejeição 
nas redes sociais, sobretudo do segmento católico e evangélico, sendo retirado 
da grade oficial do evento por decisão da Fundarpe, após pressão do prefeito 
Izaías Régis e da Diocese de Garanhuns.  Entretanto, após uma vaquinha 
virtual feita por artistas pernambucanos, foram arrecadados 10 mil reais 
e a polêmica peça será encenada em Garanhuns, mesmo cancelada no FIG, 
desta vez de maneira autônoma. A apresentação ocorre no próximo dia 27 de 
julho em local ainda a ser confirmado. Todos os ingressos foram vendidos 
no primeiro dia. Durante o desabafo da cantora, imagens de Daniela e de 
sua esposa, Malu Verçosa, eram exibidas no telão.


CONFIRA OS PRINCIPAIS TRECHOS DO DISCURSO DA CANTORA

 "A arte é livre e singular, a arte é pra incomodar pra fazer pensar, 
libertar a cabeça de merda.  Não existe civilização sem liberdade. 
Não me venha agora com ignorância de conceituar o que é arte e o que 
não é arte.  Censurar uma peça de teatro por convicções religiosas é 
absurdo e isso não é permitido pela nossa Constituição. Ela é Jesus 
Cristo sim! Jesus Cristo eu estou aqui. Eu sou gay, sou lésbica... e daí? 
Eu falei com Renata Carvalho agora por telefone e ela está muito magoada, 
a voz tava embargada. Como é que alguém tem capacidade  de oprimir 
os travestis que há tantos anos são massacrados? Eu senti vergonha 
pelos políticos que fazem isso com as pessoas. É maldade, 
desumanidade, ruindade".  

Fotos: Hilton Marques- Secom PMG
Fonte: http://www.vecgaranhuns.com/