quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

IML: Famílias de Garanhuns e do Agreste sofrem no momento de Liberar Corpos de Parentes Falecidos



A falta de uma unidade do Instituto Médico Legal (IML) aqui em Garanhuns vem gerando transtornos às famílias dessa Região num dos momentos de maior fragilidade humana: quando um ente querido vem a falecer. É que os corpos das vítimas fatais de homicídios, acidentes, suicídios e mortes suspeitas em Garanhuns e nas cidades do Agreste Meridional tem que ser encaminhados ao IML em Caruaru para realização de exames que comprovam a causa da morte e consequente emissão da Declaração de Óbito.

Diversos são os relatos de famílias que passam mais de 24 horas sem que o corpo do parente falecido seja liberado pelo IML em Caruaru para o sepultamento. “Em muitos casos, a família sequer tem o direito de velar o corpo, pois quando o cadáver chega do IML já é a hora do sepultamento”, revela o empresário Marcos Ferreira, que já atuou no segmento Funerário e hoje trabalha no ramo de Floricultura.

Segundo o funcionário de uma Funerária de Garanhuns, que pediu reserva da sua identidade, a liberação dos corpos de Garanhuns e de outras cidades no IML em Caruaru é demorada. “As ocorrências de lá (Caruaru) tem prioridade e os corpos daqui (Garanhuns) e de outras cidades não têm a mesma atenção”, registrou.  

Atento ao fato de que os deputados estaduais Álvaro Porto (PTB) e Priscila Krause (DEM) vem se colocando a disposição de Garanhuns para preencher a lacuna da falta de um representante na Assembleia Legislativa, o Blog do Carlos Eugênio manteve contato com os seus gabinetes para saber o que os Legisladores podem fazer para viabilização a solução desse problema que penaliza os moradores do Agreste Meridional.

A deputada Estadual Priscila Krause (DEM) informou ter incluído na ordem do dia da Assembleia Legislativa indicação para que o governo de Pernambuco tome providências em prol da expansão das atividades do Posto do Instituto de Medicina Legal (IML) de Garanhuns. A indicação foi direcionada ao governador Paulo Câmara, ao secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, e ao Gerente Geral da Polícia Científica, Francisco Aristófanes Sarmento Filho. 

"Diante da relevância da Cidade para o Agreste Meridional, no ano de 2013, por iniciativa da Secretaria de Defesa Social do Estado, Garanhuns passou a contar com um posto do IML voltado para a realização de exames traumatológicos e sexológicos, porém o anseio da população e a própria necessidade da região de terem uma unidade do IML com capacidade para realizar exames tanatoscópicos (quando o óbito é decorrente de homicídio) e de Serviço de Verificação de Óbito (SVO) se mantém e vem se asseverando com o crescimento da população urbana e suas respectivas demandas", justificou Priscila. 

Já o deputado Álvaro Porto (PTB) revelou que o tema é importante para a Região e que a luta em prol da implantação de uma Unidade do IML em Garanhuns é “um ponto que pretendo trabalhar e meu gabinete esta total disposição de nossa Região”, registrou o Deputado, que se colocou a disposição do Blog e de segmentos da sociedade de Garanhuns e do Agreste para ampliar as discussões quanto ao tema. 

Segundo informações da Secretaria de Defesa Social, o IML em Caruaru tem capacidade para atender 13 corpos por dia. A época da sua inauguração, em dezembro de 2010, o órgão trabalhava com 64 profissionais, entre Médicos Legistas, Auxiliares Legistas e Administrativo, como atendentes, motoristas, entre outros, que trabalhavam em escalas de 24h por dia.